« »

“Mulher azul”, próximo curta-metragem de Maria Emília de Azevedo

A diretora Maria Emília de Azevedo está preparando seu próximo filme, o curta “Mulher azul”, baseado num livro meu com o mesmo título. Seu projeto levou o primeiro lugar entre 28 propostas no recente Edital de Cinema de Santa Catarina. O roteiro é de Maria Emília e Marcelo Esteves.

“Um tiro na asa”, último filme de Maria Emília de Azevedo

Um tiro na asa

Minha colaboração com a diretora começou com uma “ponta” no filme “Alva paixão” (Festival de Gramado 1995) e seguiu com os textos que escrevi para “Roda dos expostos” (Melhor Fotografia em Gramado 2001, de Charles Cesconetto). A equipe de “Mulher azul” foi selecionada com rigor, tendo Charles Cesconetto na fotografia, Lou Hamad na direção de arte e Cássio Moura na trilha sonora. Leia abaixo trechos do livro.

Mulher azul (fragmentos)

Chegando em casa à noite, toda a mata exalava silêncio. No meio da estrada, estatelado no asfalto, um gambá. Me aproximei. O corpinho dele de lado, os pêlos parecendo espinhozinhos finos, o rabinho pelado e dois olhinhos pretos. Os olhinhos ainda brilhavam, úmidos. Estacionei, abri a porta, sentei na poltrona com as luzes ainda apagadas.

Se eu cantasse, tremia.

***

A sensação que mais me aflige é a de ter tanto, estar sobrecarregada de coisas para compartilhar, para ceder, e morro com tudo isso em cima de mim numa vala do grande deserto.

***

O passarinho despencou na sacada. Começou a se agitar no chão de madeira, sacolejando, mas não saiu dali. Me aproximei como quem quer roubar algo. Tinha medo de desmontá-lo, e ele ali, sem forças, num espaço que não era o dele. Dei mais um passo. Ele tentou voar, mas não pôde. Então, o agarrei. Ele quis se debater, eu agüentei. Meu coração pulava com aquela vida quente nas mãos. Todo um céu se concentrava ali, naquele vôo latente. Os olhinhos pretos dele espiando o mundo. Então, como quem não crê em mais nada, voamos.

Leia o lívro na íntegra em Mulher azul.

Publicado em 31-01-2008 na categoria Filmes | Faça um comentário »



Deixe um comentário